Jovens apostam em suas habilidades para faturar rendas extras

De diferentes cores e estampas, os laços e faixas de cabelo são confeccionados um a um pelas mãos de Ana Siolari. A aluna, do 2º ano do curso de Artes Visuais da Uespar, começou a fazer os próprios enfeites de cabelo depois que aprendeu com a avó a operar a máquina de costura. Ana descobriu como confeccionar os acessórios e customizar roupas em vídeo aulas na internet e aprimorou a habilidade nas disciplinas de desenho e pintura stencil no curso de Artes Visuais.  

“Fazia os lacinhos para mim e algumas meninas começaram a pedir que eu fizesse para elas. Hoje produzo sob encomenda e costumo tirar uma renda extra com isso”, diz.

A moda retrô fez com que o “antigo” caísse no gosto popular novamente. As faixas de cabelo, feitas pela aluna, trazem a inspiração vintage, que recupera o estilo das décadas de 20, 30, 40, 50 e 60. Por causa disso, contra todas as tendências evolucionistas, o artesanato tornou-se uma alternativa para quem quer fugir dos produtos industriais, adquirindo peças exclusivas que carreguem inúmeros significados.

Outra acadêmica apaixonada pelos trabalhos artesanais desde criança, é Lindamar Lupatini, também aluna do 2º ano do curso de Artes Visuais da Uespar, conquistou um mercado seleto e transformou o dom em profissão. “Presenciei uma noiva em prantos a uma semana do casamento. Ela queria um sapato vermelho e não encontrava em nenhuma loja o modelo. Pensei em me oferecer para tentar ajudá-la. Customizei o sapato com rendas de guipure e pedras de strass. No fim das contas o sapato ficou lindo e fez tanto sucesso que tornei o hobby um negócio”, conta. Lindamar tem um atelier onde faz diversos trabalhos manuais. Os sapatos de noivas, debutantes e formandas nunca mais foram os mesmos nas mãos da artesã, que transforma qualquer calçado simples em uma verdadeira obra de arte. “As noivas costumam ter dó de usar o sapato no dia do casamento e depois ainda guardam o calçado como recordação”, revela.

A habilidade com trabalhos manuais também é um dom que pode ser herdado da família. Maria Regina Martins é descendente de indígenas e aprendeu com o avô a fazer esculturas em argila. “Eu e minha mãe recolhíamos o barro de açudes para construir os bonecos”, revela a jovem. Maria acredita que produzindo os bonecos, resgata e perpetua a história da sua própria família.

Pelo menos duas vezes por mês, no sábado ou domingo, o estudante do 1º ano do curso de Administração da UESPAR, Pedro Henrique da Silva, veste sua fantasia de palhaço para animar festas infantis. “Aprendi com a minha namorada como divertir as crianças e ela aprendeu comigo como fazer pinturas nos rostos das pessoas”, diz. Com a atividade, o casal consegue juntar uma renda extra e obter um lucro de até 80% com os trabalhos.

As habilidades geralmente são descobertas quando alguém transforma um hobby ou um dom em negócio.

Formado em Gastronomia e estudando Administração na UESPAR, Gustavo Pavan trabalha durante o dia na área administrativa de uma cooperativa e as noites que não têm aula na faculdade e nos finais de semana o jovem se dedica aos dotes culinários. Junto com a mãe, cozinheira de mão cheia, ele faz cones recheados para vender. As experiências que teve como chefe de cozinha em restaurantes fez com que Gustavo investisse também numa nova atividade, o catering – que significa fazer refeições a domicílio.

Costuma cobrar pelo serviço de R$100,00 a R$200,00 e por enquanto o valor está servindo para complementar o orçamento. “Com o conhecimento que adquiri no curso de Gastronomia e agora no curso de Administração, que está me ajudando a entender o mercado e gerir melhor as contas, pretendo futuramente abrir um restaurante e transformar o que hoje é um hobby em um verdadeiro negócio que me faça ganhar dinheiro e ser completamente feliz”, finaliza. 

QUEM: Ana Siolari

TURMA: 2º ano do curso de Artes Visuais da Uespar

O QUE FAZ: Confecção de laços, rabicós e faixas para cabelo

QUANDO PRODUZ: Conforme encomendas

QUANTO COBRA: Faixas R$10,00 e Rabicós: R$5,00

 

QUEM: Gustavo Pavan

TURMA: 2º ano do curso de Administração da Uespar

O QUE FAZ: Cones recheados e catering (refeições a domicílio)

QUANDO PRODUZ: Nas horas vagas

QUANTO COBRA: Cones R$3,50 cada e o catering de R$100,00 a R$250,00

 

QUEM: Maria Regina Martins

TURMA: 1º ano do curso de Artes Visuais Uespar

O QUE FAZ: Esculturas em argila

QUANDO PRODUZ: Nas horas vagas

QUANTO COBRA: R$5,00 a 50,00 (dependendo do tamanho)

 

QUEM: Lindamar Lupatini

TURMA: 2º ano do curso de Artes Visuais Uespar

O QUE FAZ: Bordados em sapatos

QUANDO PRODUZ: dias, ás vezes a noite e finais de semana conforme urgência de prazo

QUANTO COBRA: R$100,00 a R$300,00

 

QUEM: Pedro Henrique Da Silva

TURMA: 1º ano do curso de Administração

O QUE FAZ: Animador de festas infantis

QUANDO TRABALHA: geralmente aos finais de semana

QUANTO COBRA: R$70,00 por palhaço durante 3 horas


Notícias Relacionadas

 

Ver todas as notícias relacioandas
TOP