Alunos aprendem como identificar e denunciar práticas de Bullying em Palotina

4 Jun 2019

O Brasil é o quarto país com maior prática de bullying no mundo. Cerca de 43% dos estudantes de 11 a 12 anos disseram ter sido vítimas de violência física ou psicológica na escola pelo menos uma vez, aponta pesquisa realizada pelo Fundo das Nações Unidas para Infância (Unicef).

Para combater este ato de violência cada vez mais evidente nas escolas, iniciou uma ação em Palotina conhecida como “Fortalecendo a Cultura da Paz”. O projeto é realizado pela Uespar/Facitec e Terra do Saber com o Poder Judiciário e apoio da Patrulha Escolar e do Conselho Tutelar de Palotina. Tem como objetivo implementar ações de discussão, prevenção e combate ao bullying e ciberbullying.

 

Primeira etapa

Hoje (dia 4) pela manhã finalizou na Escola Terra do Saber a primeira etapa do projeto, que consiste em palestras sobre Bullying ministradas pela juíza de direito da Vara Criminal, Infância, Juventude e Família, Maria Tereza Thomaz.  Estas palestras foram realizadas nos colégios Barão do Rio Branco, Santo Agostinho, Domingos Francisco Zardo, Terra do Saber e Celino Rocha de Araújo. Em torno de 1800 estudantes participaram dos encontros.

“Durante um mês aproximadamente percorremos diversas escolas de Palotina discorrendo sobre o tema Bullying. Os debates foram muito produtivos, ouvi relatos de pessoas vítimas de bullying e acredito que a partir de agora as escolas tenham mais subsídios para tratar do assunto”, diz a juíza.

“Hoje concluímos a primeira etapa do projeto Fortalecendo a Cultura da Paz que aborda temas como bullying, respeito, solidariedade, dentre outros valores. A abordagem deste tema foi muito importante, pois faz com que os alunos reflitam sobre como agir diante de uma situação de risco e a importância de respeitar o próximo”, destaca a diretora da Uespar/Facitec, Lacy Maria Riedi.

 

Sequência do projeto

A partir de agora será realizada a aplicação de questionários para diagnosticar casos de bullying pelos diretores, Grêmio Estudantil e professores das instituições de ensino. A tabulação dos dados será feita pelos acadêmicos de TADS e Ciências Contábeis da Uespar/Facitec e uma capacitação ministrada pelo psicólogo Vinicius Leal e pelo Cabo Cantelli da Patrulha Escolar.

Outras ações acontecerão com as turmas onde for diagnosticado maior índice de bullying, por meio de módulos que serão desenvolvidos no decorrer do ano de 2019. Estas ações serão realizadas pela Patrulha Escolar, Conselho Tutelar, acadêmicos de Administração e acadêmicos de Artes Visuais.

Também serão realizados Círculos Restaurativos pelas pedagogas dos colégios e pelos professores municipais que trabalham valores.

 

 


Notícias Relacionadas

 

Ver todas as notícias relacioandas
TOP